Cuba anuncia comitê para celebrar 60 anos do Balé Nacional

Agência EFE

HAVANA - Cuba anunciou a criação de um comitê de luxo para promover e celebrar o 60º aniversário do Balé Nacional cubano, em outubro do próximo ano, reunindo importantes instituições e personalidades da cultura no país.

O comitê, presidido pelo ministro de Cultura, Abel Prieto, reúne figuras como o presidente da Fundação do Novo Cinema Latino-americano, Alfredo Guevara; o historiador Eusebio Leal; o presidente da Casa das Américas, Roberto Fernández Retamar; e o vigário geral da capital cubana, Monsenhor Carlos Manuel de Céspedes.

Diretores das principais instituições culturais do país participarão dos preparativos. As atividades e homenagens incluirão exposições, mostras cinematográficas, concertos, e a edição de livros, anunciaram os organizadores.

A festividade terminará com o 21º Festival Internacional de Balé de Havana, em outubro de 2008. A grande novidade será a volta da versão completa do balé "A bela adormecida", excluído do repertório cubano há anos.

O diretor do Museu Nacional da Dança, Pedro Simón, explicou que a Biblioteca Nacional de Cuba trabalhará para formar uma extensa bibliografia sobre a companhia e a "prima ballerina assoluta" Alicia Alonso, sua diretora e fundadora.

Além disso, o Museu Nacional de Belas Artes exporá uma antologia de peças sobre a figura de Alonso e a dança.

O ministro de Cultura, Abel Prieto, destacou a importância do aniversário da instituição. Para ele, o Balé Nacional de Cuba representa um exemplo "extraordinário de rigor, de vontade, de tenacidade, de força".

A companhia foi fundada em 28 de outubro de 1948, com o nome de Balé Alicia Alonso. Após a revolução cubana, em 1959, assumiu o nome de Balé Nacional de Cuba.

Prieto entregou a medalha Alejo Carpentier, um dos principais reconhecimentos culturais da ilha, à primeira dançarina da companhia, Bárbara García.