Japão negocia libertação da tripulação de navio seqüestrado na Somália

Agência EFE

MOGADÍSCIO - O Governo do Japão negociará a libertação das 23 pessoas, membros da tripulação de um cargueiro japonês, seqüestradas no domingo por piratas em águas da Somália, afirmou hoje o diretor do Centro de Informação de Pirataria em Kuala Lumpur, Noel Choong.

Choong explicou à Efe que o navio, que transportava produtos químicos, entrou em águas da Etiópia, por isso o Escritório Marítimo Internacional, a que o centro malaio pertence, perdeu sua competência.

O capitão do navio e o engenheiro têm nacionalidade sul-coreana, assim como alguns membros da tripulação, que também tem cidadãos de Mianmar (antiga Birmânia) e Filipinas.

Choong afirmou que o centro informou a empresa proprietária da embarcação e o Governo do Japão sobre o seqüestro e que está à espera que os piratas peçam um resgate.

Após descarregar em Mogadíscio, o cargueiro navegava rumo a Mombaça quando foi abordado. O Centro de Informação de Pirataria em Kuala Lumpur deu o alerta na região no domingo, após receber o aviso do incidente.

Este é o segundo ataque de pirataria na Somália em duas semanas.

Em 17 de outubro, um navio de uma companhia de Dubai também foi seqüestrado.

O Centro de Relatórios sobre Pirataria recebeu 26 denúncias sobre ataques similares na Somália este ano, segundo dados do Escritório Marítimo Internacional.

O país está na rota de navios que navegam entre o Mar Vermelho e o Oceano Índico.