ElBaradei critica EUA e Israel por atitudes que prejudicam a AIEA

Agência EFE

WASHINGTON - O diretor-geral da Agência Internacional para a Energia Atômica (AIEA), Mohamed ElBaradei, acusou neste domingo Israel que querer fazer "a lei com as próprias mãos" ao ter atacado uma instalação na Síria e pediu mais informações sobre essa agressão.

Nem Israel nem os Estados Unidos forneceram qualquer prova de que o local atacado no mês passado, na Síria, fosse um complexo nuclear secreto, afirmou ElBaradei a CNN.

- Isso é para mim muito triste porque temos um sistema. Se há países que têm informações sobre o fato de outro país estar trabalhando em um programa nuclear, devem recorrer a nós. Nós temos a autoridade para investigar isso - enfatizou.

- Bombardear primeiro e perguntar depois, acredito, enfraquece o sistema e não leva a nenhuma solução porque somos os olhos e os ouvidos da comunidad internacional - disse.

Israel disse que atacou um objetivo militar na Síria, em 6 de setembro passado, mas não deu maiores detalhes, entre especulações de que podia se tratar de um local de armazenamento de material nuclear da Coréia do Norte.

ElBaradei disse que a Síria informou a ele que se tratava de um complexo militar que nada tinha a ver com armas nucleares.

Neste domingo, o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, "apresentou suas desculpas à Turquia" por qualquer dano que possa ter causado a esse país durante um ataque aéreo da aviação israelense na Síria no dia 6 de setembro passado, informaram fontes oficiais.

Olmert pediu desculpas durante um encontro com seu colega turco Recep Tayyip Erdogan, em Londres na terça-feira passada, informou neste domingo à imprensa uma autoridade israelense que estava presente no encontro.

- Se ficar provado que aeronaves israelenses efetivamente penetraram no espaço aéreo turco, não houve intenção - ressaltou Olmert, segundo a fonte.

A Turquia havia reclamado uma explicação de Israel depois de descobrir que aviões israelenses jogaram combustível em seu território depois do ataque.

Por fim, também falando à CNN, ElBaradei disse que não existem provas indicando que o Irã esteja fabricando armas nucleares, apesar da retórica dos líderes americanos nesse sentido.

- Não recebi qualquer informação de que haja um programa ativo concreto de armas nucleares neste momento - afirmou diretor da AIEA à CNN, advertindo que as ameaças dos Estados Unidos só "jogam lenha na fogueira".