Casal Kirchner vota no sul da Argentina em clima de festa

REUTERS

BUENOS AIRES - Aplausos e cumprimentos múltiplos formaram o cenário para o voto do casal Kirchner neste domingo, no sul da Argentina, região onde o presidente e a primeira-dama do país se formaram politicamente.

Em uma manhã de sol e com leve brisa, a cidade de Rio Gallegos, capital da província patagônica de Santa Cruz, viveu um dia diferente por causa da expectativa gerada em torno do favoritismo da primeira-dama, Cristina Fernández de Kirchner.

Vestida com um conjunto marrom e camisa combinando, a candidata que lidera as pesquisas de opinião, que apontam uma vitória no primeiro turno, chegou a um colégio no norte da cidade que ficou rodeado por simpatizantes e curiosos.

- É um dia muito importante para a continuidade da democracia - disse a jornalistas a também senadora, lembrando que ela 'cresceu em um país onde ninguém podia se eleger a nada', em alusão à ditadura que governou a Argentina entre 1976 e 1983.

Meia hora antes, e em pleno centro da cidade, distante 2.600 quilômetros ao sul de Buenos Aires e de 95 mil habitantes, o presidente Néstor Kirchner caminhou 150 metros desde sua casa para o local de votação.

Com camisa branca e jaqueta marrom, o presidente argentino chegou ao colégio que fica na praça central de Rio Gallegos acompanhado por seu filho Máximo, de 30 anos, que votou primeiro.

- É uma data bárbara depois de todas as coisas pelas quais passamos (na ditadura). Chegar a essa normalidade institucional é (uma situação) muito boa - disse o presidente Kirchner, enquanto saudava vizinhos e posava para fotos com pessoas que o cercavam.

O casal Kirchner chegou à cidade na noite de sexta-feira, no avião presidencial Tango 01, que os levará de volta para Buenos Aires ainda neste domingo, onde vão esperar o resultado da eleição.