Reunidos com Papa, judeus lamentam anti-semitismo

Agência AFP

CIDADE DO VATICANO - O novo presidente do Congresso Judaico Mundial (CJM), Ron Lauder, foi recebido nesta segunda-feira no Vaticano pelo Papa Bento XVI, a quem manifestou sua preocupação com o anti-semitismo do Irã e da emissora católica polonesa Rádio Maria.

- Falamos do Irã e tanto o Papa como Lauder manifestaram preocupação - declarou Maram Stern, vice-secretário geral da organização.

O presidente do Irã, Mahmud Ahmadinejad, já colocou em dúvida várias vezes o alcance do Holocausto e disse que Israel deve ser "varrido do mapa".

- Conversamos também sobre o anti-semitismo e o Santo Padre se comprometeu a que as igreja sejam muito mais sensíveis ao fenômeno - explicou Stern.

Lauder convidou o Papa a participar, durante sua próxima visita aos Estados Unidos, de um evento conjunto para mostrar a sólida cooperação entre as religiões católica e judaica.

Durante o encontro também foram abordadas as declarações anti-semitas do religioso ultraconservador polonês Tadeusz Rydzyk, diretor da Rádio Maria.

- Lauder pediu ao Papa que tome medidas contra aqueles que dentro da Igreja querem prejudicar as boas e estreitas relações entre cristãos e judeus - afirma um comunicado do CJM.

O padre Rydzyk, conhecido por suas diatribes anti-semitas, foi recebido pelo Papa em agosto.

Em maio de 2006, Bento XVI visitou o campo de concentração de Auschwitz. Em setembro homenageou as vítimas do Holocausto em Viena (Áustria).