Irã reabre fronteira com o Curdistão iraquiano

Agência AFP

BASHMAKI - O Irã reabriu nesta segunda-feira sua fronteira com o Curdistão iraquiano (norte), fechada há duas semanas em represália pela detenção de um iraniano pelas tropas americanas.

- O posto de fronteira de Bashmakh reabriu esta manhã às 9H00 - informou o oficial Rostom Kukai, que trabalha no local. Vários caminhões cruzaram imediatamente a fronteira nos dois sentidos.

Os outros quatro postos de fronteira espalhados ao longo dos 120 km de fronteira entre o Curdistão iraquiano e o Irã também fora reabertos.

O fechamento da fronteira entre o Irã e o Curdistão iraquiano, na região norte do Iraque, foi decretado por Teerã após a detenção em 20 setembro de um cidadão iraniano acusado pelos militares americanos de ser um agente envolvido no contrabando de armas destinadas aos rebeldes iraquianos.

O Irã afirma que o indivíduo era responsável pelo desenvolvimento dos negócios regionais e integrava uma delegação da província de Kermanshah, oeste do Irã, na fronteira com o norte do Iraque.

A decisão iraniana foi considerada dura em termos comerciais pelas autoridades curdas, que divulgaram um prejuízo de milhões de dólares para a região.

- Não houve solicitação de contrapartida por parte dos iranianos, pois a reabertura também era importante para eles - afirmou Jamal Abdallah, porta-voz do governo kurdo.

O acordo prevê um prazo de 18 dias para abertura temporária, durante o qual será elaborado um "mecanismo conjunto" que possibilitará uma abertura definitiva.

As duas partes se comprometeram ainda a que o território não seja utilizado por grupos armados nem para atividades armadas hostis.

Um dos principais pontos de discórdia é a presença no norte do Iraque de insurgentes curdos do grupo Pekaj, que tentam executar operações na província iraniana do Azerbaijão ocidental.

Nas últimas semanas, a artilharia iraniana bombardeou em várias oportunidades as posições destes guerrilheiros.

Além disso, o Curdistão iraquiano se comprometeu a tentar obter a libertação do iraniano detido em 20 de setembro pelas tropas americanas, segundo um representante curdo.

De acordo com o Exército americano, este indivíduo é um oficial da força Al-Qods, uma unidade de elite dos Guardiães da Revolução.

Aparentemente, está "envolvido na operação de transferência ao Iraque de artefatos explosivos e na infiltração e treinamento de terroristas estrangeiros no Iraque".

Os Estados Unidos acusam o Irã de apoiar as milícias xiitas que combatem o Exército americano, mas Teerã nega as acusações.