Russos homenageiam repórter investigativa no aniversário de sua morte

Agência AFP

MOSCOU - Centenas de pessoas se reuniram neste domingo no centro de Moscou, diante de um grande dispositivo policial, para homenagear a jornalista Anna Politkovskaya, assassinada há um ano.

Os manifestantes exibiam cartazes do partido político de oposição liderado pelo ex-primeiro-ministro Mikhail Kassianov.

- Há um ano, Anna Politkovskaya foi assassinada (...) Morreu tentando defender a dignidade humana de todos os cidadãos. Seu nome se transformou em sinônimo da mais alta autoridade moral - declarou Kassianov em um discurso.

Centenas de policiais vigiavam o local. Um telão exibia imagens da jornalista e de manifestações anteriores da oposição russa.

Também se organizou uma exposição de fotos da Chechênia em homenagem a Anna Politkovskaya em uma praça próxima ao Kremlin.

O ex-campeão mundial de xadrez Garry Kasparov, líder da coalizão de oposição Outra Rússia, colocou uma placa com o nome da jornalista na entrada do edifício em que ela morava, antes de depositar flores diante da porta do apartamento dela.

- As pessoas subestimam a importância do que ela fez - declarou, antes de ressaltar que as autoridades ignoraram as homenagens à repórter investigativa do Novaya Gazeta.

Anna Politkovskaya, uma das poucas repórteres que ainda cobria o conflito da Chechênia - iniciado em 1999 - e denunciava as violações aos direitos humanos, foi assassinada no dia 7 de outubro de 2006 na entrada de sua casa, em Moscou. O crime nunca foi esclarecido.

Em setembro, um ex-funcionário da administração chechena pró-russa, Shamil Buraev, foi acusado de cumplicidade no assassinato.

No dia 27 de agosto, a justiça anunciou a prisão de 10 suspeitos, incluindo membros do ministério do Interior e da FSB (antiga KGB).

Porém, dois suspeitos já foram liberados e o papel de um oficial da FSB permanece obscuro.

Segundo o Comitê de Proteção dos Jornalistas (CPJ), a Rússia é o país mais perigoso para a profissão depois de Iraque e Argélia. O comitê registrou 42 assassinatos de jornalistas em território russo desde 1992, 13 deles desde a chegada de Vladimir Putin ao poder em 2000.

As homenagens à jornalista coincidem com o 55º aniversário de Putin, a princípio o último que ele celebra como presidente da Rússia, já que não pode concorrer a um terceiro mandato nas eleições previstas para março de 2008.

Putin celebrou o aniversário ao lado de comandantes militares e de personalidades políticas.