Tribunal concede liberdade provisória para família de Pinochet

REUTERS

SANTIAGO - Um tribunal chileno confirmou neste sábado o benefício de liberdade provisória para a família e ex-colaboradores do falecido ditador Augusto Pinochet, que tinham sidos presos preventivamente na quinta-feira acusados de uso indevido de recursos públicos.

O presidente da Quinta Sala do Tribunal de Apelações de Santiago, Juan Eduardo Futentes, concedeu a liberdade para a viúva de Pinochet, Lucía Hiriart, e seus cinco filhos, além de 16 ex-militares e ex-colaboradores, que foram processados na quinta-feira pelo juiz Carlos Cerda.

De maneira inesperada, o magistrado Cerda decretou na sexta-feira a liberdade para a família de Pinochet, mas com consulta ao Tribunal de Apelações. O juiz viajará para Washington para receber um prêmio por seu apoio à defesa dos direitos humanos.

O inventariante de Pinochet, Oscar Aitken, também foi processado pela Justiça, mas até o momento não havia sido localizado pela polícia.

A viúva de Pinochet, de 84 anos, ficou, na quinta-feira, detida no Hospital Militar de Santiago, mas seus filhos foram enviados para as duas carceragens da capital.

Cerda ordenou a prisão da família de Pinochet na quinta-feira, acusando-a de uso indevido de 8,2 milhões de dólares em recursos públicos durante a ditadura (1973-1990). O dinheiro terminou em contas bancárias pessoais e foi usado para compra de propriedades.

O ex-ditador morreu em dezembro aos 91 anos devido a uma parada cardíaca, sem ter sido sentenciado pela Justiça pela violação de direitos humanos e delitos relacionados com contas secretas de pelo menos 27 milhões de dólares.

Grande parte da família de Pinochet havia sido processada por delitos de sonegação de impostos e falsificação de passaportes no início do ano passado. Alguns terminaram detidos, mas foram posteriormente absolvidos das acusações.

Sob a ditadura de Pinochet, cerca de 3.000 pessoas morreram ou desapareceram, enquanto outras 28 mil foram torturadas, incluindo a atual presidente chilena Michelle Bachelet.