Equador oferecerá novos contratos a petrolíferas

REUTERS

QUITO - O Equador pretende propor às companhias de petróleo um novo tipo de contrato pelo qual o Estado manterá toda a produção de petróleo bruto e pagará às empresas uma tarifa pela extração, disse o presidente Rafael Correa neste sábado.

- Na segunda-feira, teremos um novo tipo de contrato para elas, como provedoras de serviços - disse Correa durante seu programa de rádio semanal, 'Não Seremos Enganados de Novo'.

Os contratos atualmente em vigor com companhias estrangeiras, incluindo a espanhola Repsol e a brasileira Petrobras, permitem que as empresas mantenham uma parte do petróleo que extraem.

Em um decreto lançado de surpresa esta semana, Correa aumentou para 99 por cento - contra 50 por cento anteriormente - a participação do Estado na receita extra de petróleo produzido por empresas estrangeiras acima de um preço de referência determinado pelo contrato original.

O governo equatoriano disse que o decreto funcionará como um instrumento de barganha para a renegociação dos contratos, elevando a participação estatal na receita de petróleo.

A iniciativa do presidente para aumentar a participação do Estado na receita de petróleo tem semelhanças com a de seu aliado venezuelano, o presidente Hugo Chávez, que aumentou o controle do Estado sobre a indústria de petróleo do país.

Correa acusa as empresas de petróleo estrangeiras de se aproveitaram do país com contratos injustos que as beneficiam desproporcionalmente em meio à disparada dos preços do petróleo.

Outras empresas de petróleo que deverão renegociar contratos incluem a chinesa Andes Petroleum, a francesa Perenco e a norte-americana City Oriente.