Carro-bomba mata 5 afegãos e 1 soldado dos EUA em Cabul

REUTERS

CABUL - Um carro-bomba suicida do Taliban matou cinco civis afegãos e um soldado norte-americano em Cabul, neste sábado, no terceiro ataque do tipo na capital do Afeganistão em oito dias, parte da ofensiva lançada pelo grupo militante durante o feriado sagrado muçulmano do Ramadã.

Pelo menos 47 pessoas morreram nos três ataques suicidas em Cabul, normalmente mais pacífica e segura do que o turbulento sul do país.

O governo afegão e os soldados estrangeiros têm tido dificuldades de impedir os ataques suicidas, o que diminui a fé em sua capacidade de manter a segurança e desenvolver um país devastado por 30 anos de guerra.

- Uma operação comboio de rotina em Cabul foi atingida hoje por um veículo suicida improvisado com explosivos - disse o porta-voz dos militares norte-americanos, tenente-comandante Clint Larson.

- Um soldado dos Estados Unidos ficou ferido no ataque. Posteriormente, morreu em decorrência dos ferimentos.

Dois veículos Chevrolet pretos e de grande porte foram atingidos pela explosão. Um deles capotou em chamas, o outro sofreu danos menores.

- Dá para ver o fogo e a fumaça vindo dos veículos estrangeiros - disse Ghiasuddin Barez, uma testemunha.

- A explosão aconteceu há cerca de 100 metros de onde eu estava. Havia dois veículos pretos em chamas e pessoas correndo e gritando.

O Taliban reivindicou a responsabilidade pelo ataque, como parte de sua ofensiva Nasrat (Vitória) durante o Ramadã. Os guerreiros do Taliban acreditam que haverá mais recompensas do céu para quem morre pela causa durante o mês sagrado do jejum.

Cinco civis afegãos morreram e outros cinco ficaram feridos na explosão, informou o Ministério do Interior afegão.

- É muito difícil prevenir tais ataques - afirmou o chefe de combate ao terrorismo do ministério, Abdulmanan Farahi, em entrevista coletiva. O número de policiais afegãos e soldados estrangeiros foi reforçado nas patrulhas e postos em Cabul para coibir a ameaça de bombas suicidas, disse ele.

Depois de sofrerem muitas baixas em confrontos convencionais, nos últimos dois anos, os rebeldes do Taliban passaram a lançar mão cada vez mais de ataques suicidas. A Organização das Nações Unidas (ONU) diz que o número de incidentes no Afeganistão aumentou em 2007, embora a escala de confrontos militares tenha diminuído.