Clérigo sunita pede a iraquianos que não lutem contra Al Qaeda

REUTERS

DUBAI - Um importante clérigo sunita iraquiano pediu na sexta-feira à população local que não colabore com os Estados Unidos na luta contra a Al Qaeda, já que isso significaria ajudar os ocupantes contra os compatriotas.

- Rejeitamos as ações da Al Qaeda, mas eles ainda são parte de nós. Noventa por cento da Al Qaeda são iraquianos - disse o xeque Harith Al Dari à TV Al Jazeera.

- Pode ser possível manter um diálogo com eles, e que Deus os ajude a voltar à razão. Do ponto de vista nacional, islâmico e racional, não é permitido lutar ao lado das forças de ocupação - disse Dari, presidente da Associação de Clérigos Muçulmanos do Iraque, que reúne apenas religiosos sunitas.

Por outro lado, Dari disse que é justificada a autodefesa contra os ataques da Al Qaeda.

Dari, radicado na Jordânia, costuma fazer elogios a grupos insurgentes sunitas do Iraque, mas nega ter ligações diretas com eles.

Alguns grupos insurgentes sunitas e tribais aderiram à luta contra a Al Qaeda, irritados com a matança indiscriminada de civis e com a rígida interpretação do Corão feita pela facção de Osama bin Laden.