Premiê do Iraque reage a críticas dos EUA

REUTERS

DAMASCO - O primeiro-ministro do Iraque, Nuri Al Maliki, reagiu na quarta-feira às críticas dos Estados Unidos, dizendo que ninguém tem o direito de estabelecer prazos para o progresso do país.

O embaixador dos EUA em Bagdá disse na terça-feira que o Iraque obteve um progresso 'extremamente frustrante' na reconciliação das suas facções. Já o presidente George W. Bush afirmou haver 'um certo nível de frustração com a liderança em geral'.

Reagindo a essas declarações, durante entrevista coletiva em Damasco, Maliki disse que 'o governo iraquiano foi eleito pelo povo do Iraque, e que ninguém lhe imponha cronogramas'. O premiê se encontrou na terça-feira com o presidente sírio, Bashar Al Assad.

- Talvez esta pessoa que fez uma declaração ontem esteja chateada com a natureza da nossa visita à Síria - disse Maliki, sem explicar se se referia a Bush ou ao embaixador Ryan Crocker.

- Essas declarações não nos preocupam muito. O que nos preocupa é a nossa experiência democrática e a adesão à Constituição.

Os EUA aumentaram para 162 mil o número de soldados no Iraque para tentar acabar com a violência, a fim de que o governo conseguisse atingir as metas políticas.

O presidente da comissão de Serviços Armados do Senado norte-americano, Carl Levin, que acaba de voltar do Iraque, pediu na segunda-feira a queda do governo de Maliki.