Relatório da CIA aponta falha na cúpula da agência antes do 11/9

REUTERS

WASHINGTON - O ex-diretor da CIA George Tenet não cumpriu sua declaração de guerra feita em 1998 contra a Al Qaeda e desviou verbas de combate ao terrorismo para outros usos nos anos prévios aos atentados de 11 de setembro de 2001, segundo um relatório da agência divulgado na terça-feira.

O relatório do inspetor-geral data de 2005 e foi divulgado a contragosto pelo diretor da CIA, Michael Hayden, em resposta a uma lei aprovada neste mês pelo Congresso.

O relatório diz que diretores da CIA 'não se desincumbiram de suas responsabilidades de forma satisfatória' e descrevem 'um colapso sistêmico' numa lista de suspeitos de terrorismo que poderiam tentar entrar nos EUA.

- (O relatório) realmente aponta o dedo contra os executivos da CIA (inclusive Tenet) - disse Barbara Elias, do Arquivo Nacional de Segurança, responsável por coletar e publicar documentos que perdem o sigilo.

O relatório recomendava punições a Tenet e outros funcionários, mas Hayden rejeitou a recomendação, dando aval a uma decisão de seu antecessor, Porter Goss.

- Nunca esteve em questão uma falha de conduta - afirmou Hayden.

Em declarações ao site da agência, Hayden disse que, embora os funcionários não tenham conseguido evitar os atentados de 11 de setembro de 2001, 'eles preveniram outros atos de terrorismo e salvaram vidas inocentes, no nosso país e no exterior'.