Furacão Dean chega à categoria 5 e atinge costa do México

REUTERS

PLAYA DEL CARMEN - O furacão Dean, da perigosa categoria 5, chegou à costa caribenha do México nesta terça-feira com ventos fortes e chuvas pesadas que forçaram milhares de turistas a procurar abrigos.

A tempestade, que já matou 11 pessoas em sua passagem pelo Caribe, atingiu a costa perto do porto de Costa Maya, na região da fronteira com Belize.

O Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos disse que esta é a primeira tempestade de categoria 5 a atingir a Bacia do Atlântico desde o furacão Andrew, em 1992.

O Dean tinha ventos de 268 quilômetros por hora e rajadas mais fortes quando chegou à costa, mas deverá perder força na passagem pela península Yucatán.

Os turistas concentraram-se em um hotel que serve de abrigo para 400 pessoas em Playa del Carmen, onde os ventos violentos balançaram as palmeiras. Alguns quartos estão abrigando até 12 pessoas.

- Podemos ficar dois ou três dias sem água e eletricidade - disse a italiana Emanuela Beriola, 41 anos, que estocou carne enlatada, bebidas energéticas e atum.

O Dean deverá cruzar Yucatán e chegar ao Golfo do México antes de voltar à costa, no Estado mexicano de Veracruz.

Furacões de categoria 5 -- a mais forte possível -- são raros, mas foram registrados quatro em 2005, incluindo o Katrina, que devastou Nova Orleans.

No México, soldados e policiais patrulham a região turística para garantir o toque de recolher decretado pelo governo estadual.

Em 2005, a península Yucatán foi devastada pelo furacão Wilma, que atingiu Cancún e outras praias, matando sete pessoas e provocando 2,6 bilhões de dólares em danos.

A estatal petrolífera do México retirou todos os funcionários de seus 407 poços em Campeche Sound, em perdas de 2,65 milhões de barris por dia.

Em Belize, ex-colônia britânica de 250.000 habitantes, a tempestade levou chuvas fortes. Na Jamaica, onde o furacão passou no fim de semana, estradas estão bloqueadas por árvores caídas e postes de energia. Duas pessoas morreram, segundo a polícia.

Ao todo, 11 pessoas morreram em consequência da passagem do furacão. O Haiti foi o mais atingido, com quatro mortes.