UE suspende combustível na Faixa de Gaza para pressionar Hamas

REUTERS

JERUSALÉM - A União Européia parou de pagar pelo combustível usado na principal usina elétrica da Faixa de Gaza, por temor de que o Hamas cobre impostos sobre a eletricidade para financiar seu governo no território, disseram autoridades da UE na segunda-feira.

Um dos primeiros decretos do presidente palestino, Mahmoud Abbas, depois que o Hamas assumiu o controle da Faixa de Gaza, em junho, foi isentar os 1,5 milhão de moradores da área dos impostos, o que impediria que a arrecadação chegasse às mãos do grupo islâmico, rival de Abbas.

A usina de Gaza interrompeu suas operações no começo da tarde de domingo, provocando um apagão generalizado, depois que a UE suspendeu o pagamento do combustível fornecido por uma empresa privada israelense.

- Recebemos informações de que o Hamas está planejando criar impostos sobre as contas de eletricidade, e isso não nos permitirá continuar pagando o combustível - disse uma importante autoridade da UE.

Segundo essa fonte, o bloco europeu retomará o pagamento do combustível quando receber garantias do Hamas de que não haverá o imposto elétrico em benefício do grupo islâmico.

Uma importante fonte do governo do Hamas em Gaza disse que as preocupações da UE são infundadas.