Filho de Khadaffi defende instituições independentes para Líbia

REUTERS

BENGHAZI, LÍBIA - A Líbia precisa de reformas para fortalecer sua democracia direta, o que inclui o estabelecimento de órgãos independentes, como um Banco Central, um tribunal supremo e imprensa, disse na segunda-feira um filho do dirigente Muammar Khadaffi.

Mas o reformista Saif Al Islam, que também detalhou um projeto sócio-econômico de 82,8 bilhões de dólares, disse a uma platéia de milhares de jovens que a liderança de seu pai e a sharia (lei islâmica) não estão em discussão.

- O próximo desafio para a Líbia é redigir um pacote de leis que vocês podem chamar de Constituição ou como quiserem, mas que devem ser endossadas pelo povo para se tornar um contrato entre todos os líbios - disse ele em discurso transmitido ao vivo pela TV estatal.

Islam disse que o atual sistema político da Jamahirya, baseada no Livro Verde, em que Khadaffi mistura idéias islâmicas com princípios socialistas, é bom no papel, mas que na prática tem algumas falhas.

O sistema criminaliza a dissidência política e proíbe a criação de partidos e a eleição livre para o Parlamento.

- A sociedade precisa ter uma imprensa independente para destacar a corrupção, a mentira e a falsificação - disse ele.

- A Líbia deve ter uma sociedade cívica independente e órgãos independentes.