Colombianos esperam que Chávez ajude a soltar reféns

REUTERS

CARACAS - Parentes de reféns mantidos pela guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) viajaram nesta segunda-feira à Venezuela para pedir que o presidente Hugo Chávez interceda pela libertação deles. Chávez se ofereceu para agir como intermediário entre os guerrilheiros e o governo do conservador Alvaro Uribe.

As Farc mantêm há anos seqüestrados centenas de policiais, soldados e políticos, inclusive a ex-candidata a presidente Ingrid Betancourt, capturada em 2002. Há também três americanos que participavam de uma missão de erradicação das drogas em 2003.

- Sempre pedimos que uma zona de encontro seja estabelecida, mas o importante é que as Farc e o governo se sentem cara a cara - disse Angela de Pérez, mulher de um parlamentar seqüestrado, à rádio Caracol.

A delegação, que encontrou Chávez na tarde de segunda-feira, também inclui a mãe de Betancourt e alguns parentes de 11 parlamentares regionais mortos recentemente durante um suposto confronto entre guerrilha e soldados, depois de cinco anos de cativeiro.