Bolívia insiste em soberania marítima após aceno do Chile

REUTERS

SANTIAGO - A Bolívia reiterou na segunda-feira que nunca renunciará à sua reivindicação de acesso soberano ao oceano Pacífico, embora tenha qualificado de "avanço" uma declaração da presidente chilena, Michelle Bachelet, que se mostrou disposta a um acordo limítrofe limitado.

As declarações, publicadas no domingo por um jornal de Santiago, sinalizam uma possibilidade de dar à Bolívia uma saída ao mar.

- Estamos avançando, vemos as declarações da presidente Bachelet com bons olhos, saudamos essas declarações e ratificamos que a Bolívia jamais vai renunciar à sua soberania, mas estamos avançando gradualmente - disse o chanceler boliviano, David Choquehuanca.

Bachelet, que diz manter boas relações com seu colega Evo Morales, disse que o Chile "deve estar disponível para conferir uma qualidade marítima" à Bolívia, o que "é diferente de conferir soberania".

Há duas semanas, Morales declarou que a Bolívia recuperará "em breve" o acesso ao Pacífico, perdido numa guerra contra o Chile no século 19.

Os dois países estão sem relações diplomáticas há quase três décadas por causa da questão marítima. Mas desde o início dos governos Morales e Bachelet, no começo de 2006, se intensificaram os contatos políticos e foi aberta a possibilidade de contatos energéticos.