Bagdá liberta 103 prisioneiros

Agência AFP

BAGDÁ - Pelo menos 103 pessoas detidas nas prisões americanas no Iraque e não acusadas formalmente foram libertadas nas últimas semanas, informou nesta segunda-feira um representante do governo iraquiano.

Os prisioneiros, entre os quais vários cidadãos árabes, foram libertados depois de terem sido declarados inocentes por um comitê criado em maio pelo primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki, para reexaminar os casos das pessoas detidas pela força multinacional.

- Libertamos 103 pessoas de prisões administradas pela força multinacional cuja inocência foi estabelecida pelos membros do comitê - explicou à AFP Bassam Ridha, conselheiro de Maliki e membro deste comitê.

Mais de 18.000 pessoas permanecem detidas nos dois centros da força multinacional no Iraque, em Camp Bucca, perto da cidade de Om Qasr (650 km ao sul de Bagdá), e em Camp Cropper, perto da capital iraquiana.

Vários desses prisioneiros foram detidos há mais de dois anos e ainda não foram formalmente acusados.