Imagens mostram presos iraquianos enjaulados em tendas de arame

REUTERS

BAGDÁ - O vice-presidente do Iraque prometeu neste sábado, dia 18, melhor tratamento aos presos e divulgou imagens de uma prisão de Bagdá que mostram centenas de presidiários alojados em barracas de arame lotadas.

As raras fotos do interior de um cárcere iraquiano foram apresentadas pelo escritório do vice-presidente sunita Tareq al-Hashemi, que visitou ao lado do vice-presidente xiita o complexo de Rustafa, ao leste da capital.

As imagens revelam fileiras de tendas ao ar livre feitas de arame e recobertas de plástico branco, cada uma do tamanho aproximado de uma quadra de basquete abrigando dezenas de pessoas.

Muitos presos se aglomeravam junto às grades professando sua inocência. Alguns cantavam slogans nacionalistas dos tempos de Saddam Hussein.

- Estou preso há dois anos e nunca me levaram a julgamento ou para ver um juiz - gritou um prisioneiro.

- Não pedimos água ou comida. Apenas libertem-nos. Não cometemos crime nenhum! - disse outro deles.

Hashemi disse aos presos que as autoridades estão trabalhando para acelerar a resolução de seus casos.

- Não vamos aceitar essa injustiça. Isso nos envergonha a todos. Tenham paciência - afirmou o vice-presidente. "Todos os seus casos serão ouvidos".

A uma certa altura, ele declarou aos presos: "Vocês têm sorte de estarem aqui. Pelo menos aqui vocês têm segurança. Aqueles que estão lá fora não têm nem mesmo segurança".

As forças dos Estados Unidos e do Iraque prenderam dezenas de milhares de pessoas sem apresentar acusações nos quatro anos desde a queda do presidente Saddam Hussein.

Muitos dos detentos são árabes sunitas acusados de participar da insurgência contra o governo liderado por xiitas. A forma como são tratados causa revolta entre a comunidade sunita.

O diretor da prisão visitada por Hashemi, general Jumah Hussein, disse à Reuters por telefone que o acampamento de barracas de arame foi inaugurado há cerca de um mês para aliviar a superlotação dos presídios. Segundo ele, 2.779 prisioneiros são mantidos no novo complexo.

O diretor da prisão acrescentou que as tendas foram erguidas "de acordo com padrões internacionais", com ar-condicionado e luz elétrica 24 horas por dia.

O Exército norte-americano afirma que mantém agora presos 23 mil iraquianos, 19 mil deles em Camp Bucca, uma gigantesca prisão no sul do Iraque.

Washington diz que os prisioneiros são mantidos de acordo com resoluções do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), que permitem mantê-los detidos enquanto forem considerados uma ameaça.