Novo abalo sísmico atinge área de terremoto no Peru

REUTERS

PISCO, PERU - Equipes de resgate do Peru tentavam na sexta-feira encontrar sobreviventes na área atingida por um violento terremoto que matou 500 pessoas há dois dias. Também na sexta, um outro tremor de magnitude 6,0 atingiu a mesma região, disseram testemunhas e o Geological Survey, um órgão dos Estados Unidos.

O terremoto principal, de magnitude 8,0, ocorreu na quarta-feira e muitas de suas vítimas eram pessoas pobres, mortas quando suas casas frágeis, feitas de tijolos de barro, ruíram. Hospitais e necrotérios encontravam-se sobrecarregados, obrigando os moradores a colocar vários corpos nas ruas das cidades.

Por enquanto, não há relatos sobre vítimas ou danos deixados pelo tremor de sexta-feira, cujo epicentro foi a 145 quilômetros ao sul de Lima.

O novo abalo sísmico provocou pânico entre os peruanos das cidades mais atingidas na quarta-feira, localizadas também ao sul da capital, onde voluntários tentavam ajudar as equipes de resgate a encontrar sobreviventes e tratar dos feridos.

Foi confirmada a morte de cerca de 510 pessoas desde o grande terremoto, afirmou a Organização das Nações Unidas (ONU) na sexta-feira, atribuindo a informação a autoridades federais e regionais. Além dos mortos, há por volta de mil feridos.

Milhares de pessoas perderam suas casas e precisam agora dormir ao relento. As vítimas reclamam da falta de atendimento médico e de suprimentos de emergência.

Os danos maiores produziram-se nas cidades de Canete, Chincha e Pisco.

Nesta última, o resgate de um homem preso nos destroços de uma igreja alimentou a esperança das equipes de resgate.

- Trata-se de um milagre quase. Esperamos encontrar outros sobreviventes - disse Carlos Cordova Gomez, chefe dos bombeiros voluntários do Peru.

- Por enquanto, continuaremos procurando corpos. Essa é nossa prioridade agora - afirmou Felipe Aguilar, diretor do setor de resgate do Exército em Pisco.

- Para nós, essa é a prioridade porque já tiramos uma pessoa com vida dos destroços.

O presidente peruano, Alan Garcia, visitou as áreas atingidas na quinta-feira.

O terremoto de quarta-feira foi um dos piores desastres naturais a atingir o país nos últimos 100 anos. Em 1970, um terremoto matou cerca de 50 mil peruanos.

No centro de Lima, uma bandeira peruana tremulava a meio mastro. Garcia declarou três dias de luto oficial no país.