Mortos em terremoto no Peru já passam de 500

REUTERS

PISCO - Equipes de resgate trabalharam durante a madrugada desta sexta-feira em busca de sobreviventes depois que um poderoso terremoto sacudiu a costa central do Peru, matando mais de 500 pessoas em um dos piores desastres naturais do país em mais de 100 anos.

O terremoto de magnitude 8 estremeceu o país na tarde de quarta-feira, e muitas vítimas são pobres que morreram quando suas casas frágeis desabaram. Hospitais e necrotérios estão lotados, o que obrigou muita gente a deixar cadáveres nas ruas.

O vice-comandante do Corpo de Bombeiros, Roberto Ognio, disse que o terremoto deixou até agora 510 mortos e 1.500 feridos, segundo o jornal O Comércio.

Ognio afirmou também que o número de mortos pode aumentar, já que há poucas esperanças de se encontrar sobreviventes entre os escombros.

Mais de 24 horas depois do terremoto, tremores secundários provocaram pânico nas cidades mais afetadas ao sul da capital peruana. Mas a retirada de um homem vivo dos escombros de uma igreja deu esperanças ao resgate no povoado de Pisco.

- É praticamente um milagre e queria que pudéssemos encontrar outros - disse o comandante dos bombeiros Carlos Córdova, no local dos trabalhos iluminado por holofotes.

- Vamos continuar procurando - disse Felipe Aguilar, que comanda os esforços de resgate do exército no povoado.

- Para nós, esta é a prioridade (...) porque já tiramos uma pessoa viva - afirmou.

O único lugar com luz, no povoado de 120.000 pessoas, é a praça onde ficava a igreja. O terremoto cortou a eletricidade, as linhas telefônicas e a principais estradas.

Pisco, famosa pelo licor de uva de mesmo nome, foi a região mais afetada pelo terremoto, ao lado de Ica e Chincha, onde centenas de prisioneiros escaparam de uma prisão derrubada pelo terremoto.

Cerca de 15.000 casas desabaram ou sofreram danos graves na região.

O presidente do Peru, Alan García, visitou na quinta-feira as zonas afetadas pelo tremor e apresentou condolências às famílias das vítimas.

O terremoto foi um dos piores desastres naturais do país no último século. Em 1970, um terremoto provocou avalanches de gelo e terra que mataram cerca de 50.000 pessoas no povoado de Yungay, ao norte de Lima.