Japão espera que cúpula coreana reduza tensão na península

Agência EFE

JAPÃO - O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, aplaudiu nesta quarta-feira o anúncio de uma cúpula entre os líderes das duas Coréias, por considerar que ela pode ajudar a "diminuir a tensão na península", informou a agência "Kyodo".

- Tenho as expectativas de que a cúpula ajude a diminuir a tensão na península coreana - disse o chefe de Governo japonês. Ele é conhecido por suas duras posições nas relações com Pyongyang, devido aos seqüestros de japoneses nos anos 70 e 80.

Abe lembrou que a desnuclearização da Coréia do Norte "está sendo negociada através das conversas de seis lados" e mostrou sua esperança de que a Coréia do Sul, como uma das partes envolvidas, discuta o tema na cúpula. Mas também destacou "a importância" do caso dos japoneses seqüestrados.

Segundo a "Kyodo", fontes do Governo japonês, que não quiseram ser identificadas, se preocupam com a possibilidade de o Japão ficar isolado nas negociações multilaterais.

- Será preciso esperar e ver que tipo de impacto terá a cúpula intercoreana nas relações entre Japão e Coréia do Norte e nas conversas de seis lados - disseram as fontes.

Japão e Coréia do Norte não mantêm relações diplomáticas, mas os dois países participam das negociações de seis lados com a Coréia do Sul, China, Estados Unidos e Rússia para resolver o conflito nuclear norte-coreano.

Hoje, em Seul, a Casa presidencial confirmou que o presidente da Coréia do Sul, Roh Moo-hyun, e o líder da Coréia do Norte, Kim Jong-il, se reunirão entre 28 e 30 de agosto em Pyongyang.

A primeira cúpula intercoreana aconteceu em junho de 2000.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais