Distúrbios em Timor Leste deixam prédios destruídos e 50 presos

Agência Brasil

DILI - Mais de 50 pessoas foram presas e diversos bens públicos e privados destruídos em incidentes ocorridos em Baucau, no Timor Leste.

Os manifestantes se dizem seguidores da Frente Revolucionária do Timor Leste Independente (Fretilin), partido contrário à escolha de Xanana Gusmão para ser o primeiro-ministro do país. Gusmão foi empossado nesta quarta-feira pelo presidente José Ramos Horta.

O comércio fechou as portas e o mercado novo, localizado na parte alta da cidade, também não funcionou, por falta de comerciantes. Um dos bens danificados é a diocese de Baucau. A Fretilin, liderada pelo ex-premiê Mari Alkatiri, um líder muçulnano, tem restrição à Igreja Católica, que teve papel forte na independência do país e goza de influência na região.

Também foi atacada a sede da Fundação Alola, organização não-governamental que presta assistência em diferentes setores.

Na parte alta da cidade, foram incendiados o restaurante Benfica, o edifício da administração estatal e a parede exterior da antiga gráfica da diocese, onde ainda funciona a administração. Um incêndio destruiu também o infantário da Caritas diocesana.

Outros estragos verificaram-se na Pousada do Bom Sossego e na residência dos professores portugueses, que teve parte dos vidros quebrada por pedras.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais