Parlamento do Mercosul aprova regimento e vai debater conflito

Agência EFE

URUGUAI - O Parlamento do Mercosul aprovou esta noite o seu regulamento interno e na próxima terça-feira deverá analisar a agenda política, discutindo uma moção apresentada pelos partidos tradicionais do Uruguai sobre o conflito com a Argentina por causa da construção de fábricas de celulose na fronteira entre os dois países.

A moção foi proposta pelo deputado Germán Cardozo, do Partido Colorado do Uruguai, e apoiada por representantes do Partido Nacional (Blanco). Mas não entrou em debate na sessão desta segunda-feira, por falta de tempo.

Cardozo disse que procura conseguir um debate sério e em profundidade sobre um tema próprio à natureza da existência do Parlamento do Mercosul. Na sua opinião, a disputa entre Argentina e Uruguai já é "inadmissível".

- Por um lado, está interrompido o livre trânsito de pessoas e mercadorias entre dois países. Por outro, o resto dos membros mostra indiferença diante de um tema que hoje é o mais grave no Mercosul - acrescentou.

Cardoso denunciou a violação do Tratado de Assunção e da finalidade do Parlamento do Mercosul, que é velar pelo cumprimento das normas jurídicas dentro do bloco.

A coalizão de esquerda Frente Ampla, que governa o Uruguai, não vai apoiar a moção do Partido Colorado. Seus representantes acreditam que o debate no Parlamento não contribui para a mediação do conflito, segundo o deputado governista José Mahía.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais