Potências começam discussão de novas sanções ao Irã

REUTERS

WASHINGTON - Os Estados Unidos e outras potências começaram as consultas preliminares sobre um novo conjunto de sanções da ONU por causa da recusa do Irã em suspender seu programa de enriquecimento de urânio, disse o Departamento de Estado na terça-feira.

O porta-voz Sean McCormack disse não saber quando uma resolução com sanções poderia ser apresentada no Conselho de Segurança da ONU, mas afirmou: - Estamos conversando neste instante sobre os elementos dela.

Sem dar detalhes, McCormack explicou que o assunto esteve na pauta da visita da semana passada do subsecretário Nicholas Burns à Europa.

O Conselho de Segurança já aprovou dois pacotes de sanções ao Irã desde dezembro. Mas, ao invés de suspender o enriquecimento, a República Islâmica ampliou rapidamente o programa, que pode gerar combustível para usinas nucleares ou material para armas.

A segunda resolução, aprovada em março, vai além da esfera nuclear ao proibir a exportação iraniana de armas convencionais e congelar bens no exterior de 28 indivíduos e entidades, inclusive o banco estatal Sepah e os comandantes da Guarda Revolucionária.

No sábado, os negociadores da União Européia, Javier Solana, e do Irã, Ali Larijani, voltam a se reunir, desta vez em Lisboa, segundo a agência iraniana de notícias Mehr. O gabinete de Solana, em Bruxelas, não confirmou a data ou o local, mas McCormack admitiu que o encontro deve acontecer. A última reunião entre Solana e Larijani, dia 31 em Madri, terminou sem resultados.

McCormack disse que haverá mais uma reunião porque 'espera-se que o governo iraniano e o regime iraniano comecem a fazer uma análise custo-benefício diferente'.

- Claramente, eles estão muito mais isolados do que há um ano. Então a idéia é que vamos continuar, por intermédio do sr. Solana, a conversar com o governo iraniano, incentivando-o a encontrar alguma forma de dizer sim. E isso envolve, muito simplesmente, encontrar alguma forma de suspender as atividades iranianas de enriquecimento e reprocessamento, a fim de entrar em negociações.

Um alto funcionário dos EUA disse à Reuters, porém, que não há expectativa de qualquer solução no próximo encontro.

O Irã diz que seu programa nuclear está voltado apenas para a geração de energia com fins civis.

Embora os EUA sempre repitam sua intenção de resolver o impasse diplomaticamente, o presidente George W. Bush reiterou na terça-feira que todas as opções continuam disponíveis, inclusive uma ação militar.