Ataques no Iraque crescem e número de vítimas fatais supera oito mil

Agência EFE

PARIS - Com as 75 mortes registradas nesta terça-feira no último atentado em Bagdá, o balanço de iraquianos, entre civis e militares, que morreram de forma violenta no Iraque desde o começo do ano sobe para pelo menos 8.073, segundo apurações.

Em janeiro, morreram pelo menos 1.596 pessoas; em fevereiro, 1.308; em março, 1.546; em abril, 1.435; em maio, 1.564, e durante o mês de junho, 668.

Na falta de números oficiais, os cálculos sobre o número de vítimas têm grandes diferenças, segundo a fonte que fez os cálculos.

Assim, a organização humanitária iraquiana 'Iraque sem violência' afirma que um total de 9.352 iraquianos morreu no Iraque durante os primeiros cinco meses deste ano.

O grupo independente Body Count, dirigido por pesquisadores e pacifistas, cifrava em mais de 6.200 o número de mortos do começo do ano até 4 de abril.

Sem concretizar o número, o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados no Iraque (Acnur) calcula que cerca de cem pessoas morrem diariamente em média no país asiático por causa da violência.

Além disso, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), sete em cada dez feridos por causa da violência morre nos hospitais.

Desde o começo do conflito, em março de 2003, mais de 150 mil pessoas morreram no Iraque, segundo o Ministério da Saúde iraquiano informou em novembro de 2006.

A Body Count situa o número de vítimas fatais em mais de 65.000, mas um estudo da revista científica britânica 'The Lancet', publicado em outubro de 2006, elevava o número para 600.000.

O dia mais violento de 2007 foi em 18 de abril, quando mais de 160 pessoas morreram em Bagdá devido à explosão de cinco carros-bomba em diferentes pontos do país.

Embora não ofereça um balanço completo das vítimas do conflito, a Missão de Assistência da ONU para o Iraque (Unami) informou que, em 2006, 34.452 civis morreram no Iraque. O Governo iraquiano reduziu este número para 12.371.

Um total de 3.806 soldados da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos morreram desde o início do conflito, 3.528 deles americanos.