Merkel: G8 deve traçar acordo sobre cortes substanciais em emissões

REUTERS

HEILIGENDAMM - Os líderes mundiais reunidos na cúpula do G8 na Alemanha selaram um acordo para implementar cortes 'substanciais' na emissão de gases do efeito estufa, afirmou a chanceler (primeira-ministra) alemã, Angela Merkel.

- Em termos de alvos, concordamos com uma linguagem clara...que reconhece que os aumentos nas emissões de CO2 devem primeiro ser interrompidos e depois seguidos por reduções substanciais - disse Merkel a repórteres durante a reunião no balneário de Heiligendamm.

Segundo ela, os países do G8 concordaram em 'considerar' a meta dela de um corte de 50% nas emissões até 2050. Mas os líderes não parecem ter se comprometido a metas específicas.

Os EUA vinham resistindo às tentativas de Merkel -- que comanda a cúpula -- de fixar uma meta específica sobre os cortes necessários aos esforços para combater as perigosas alterações no clima.

Mais cedo, antes do tão esperado encontro cara a cara com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, o presidente dos EUA, George W. Bush, tentou debelar parte das tensões com o país.

Os dois não se reúnem sozinhos desde que Putin acusou o governo Bush, em fevereiro, de tentar impor sua vontade ao mundo e de tentar se tornar o 'único mestre' do planeta.

- Repito que a Rússia não é uma ameaça, que os russos não são uma ameaça militar - afirmou o presidente norte-americano.

O governo russo discorda dos planos dos EUA de construir um escudo de defesa antimíssil que teria parte de seus componentes instalados no Leste Europeu.

Mas o escudo não é o único ponto de desavença -- as relações da Rússia com o Ocidente encontram-se em seu pior momento do pós-Guerra Fria.

Entre os outros tópicos sobre os quais não há consenso estão várias questões de política internacional (incluindo o Irã e Kosovo) e o envio de ajuda à África.