Presidência da UE pede libertação de todos os seqüestrados na Colômbia

Agência EFE

BERLIM - A Presidência alemã da União Européia (UE) pediu nesta quarta-feira 'aos grupos ilegais' da Colômbia que 'libertem imediatamente todas as pessoas seqüestradas e se distanciem de todo seqüestro ou tomada de reféns'.

A Presidência da UE condenou, em comunicado divulgado em Berlim, "os seqüestros, não importa onde estes ocorram'.

A UE reiterou sua declaração de 23 de fevereiro, emitida por ocasião do quinto aniversário do seqüestro da ex-candidata presidencial colombiana Ingrid Betancourt.

A Presidência do bloco defendeu na época um acordo humanitário que permita a libertação dos reféns dos 'grupos ilegais' na Colômbia.

Betancourt foi seqüestrada em 23 de fevereiro de 2002, quando era candidata presidencial, junto a sua diretora de campanha.

O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, anunciou recentemente a libertação de 150 combatentes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Entre os rebeldes libertados está o guerrilheiro Rodrigo Granda, considerado o 'chanceler' das Farc, que saiu da prisão na segunda-feira.

As Farc mantêm 56 pessoas em cativeiro, entre políticos, soldados e agentes de segurança, com a esperança de trocá-los por presos.