Lavagna apóia Macri no segundo turno das eleições em Buenos Aires

Agência EFE

BUENOS AIRES - O ex-ministro da Economia da Argentina Roberto Lavagna ratificou seu apoio a Mauricio Macri no segundo turno das eleições para prefeito de Buenos Aires e disse que a ascensão política do empresário não o prejudica em sua candidatura para as presidenciais de outubro.

- Mantenho minha recusa em votar para um delegado do presidente Néstor Kirchner - sustentou Lavagna ao se referir ao ministro argentino de Educação, Daniel Filmus, que será rival de Macri na segunda rodada do pleito para chefe do Governo da capital do país, que será realizada no dia 24.

Macri, líder da coalizão de centro-direita Proposta Republicana (PRO), venceu no domingo passado o primeiro turno das eleições, ao obter 45,6% dos votos contra 23,8% de Filmus, embora essa percentagem não tenha permitido que ele assumisse diretamente o cargo.

- O que disse antes do primeiro turno foi 'não' a um delegado do presidente e 'sim' a outros candidatos alternativos. Um deles é Macri, que participará do segundo turno. Em conseqüência, meu voto vai para ele', destacou Lavagna.

O economista disse que a ascensão política alcançada pelo também deputado e presidente do clube Boca Juniors com este triunfo em Buenos Aires não lhe prejudicará em sua campanha em nível nacional.

Lavagna lançou em maio sua candidatura presidencial com vistas às eleições gerais de outubro à frente da coalizão Uma Nação Avançada (UNA), que tem como um dos grandes parceiros um setor da União Cívica Radical (UCR), o principal partido da oposição.

Kirchner ainda não decidiu se será ele ou sua mulher, a senadora Cristina Fernández, que vai concorrer como candidato do Governo.