UE reata negociações com a Sérvia para acordo de associação

Agência EFE

BRUXELAS - A Comissão Européia (CE) anunciou nesta sexta-feira que retomará as negociações para fechar um Acordo de Estabilização e Associação com a Sérvia, ao considerar que Belgrado demonstrou 'um claro compromisso' de colaborar com a 'Justiça internacional'.

Na última quinta-feira foi preso na Bósnia, perto da fronteira com a Sérvia, o ex-general servo-bósnio Zdravko Tolimir, acusado pela Promotoria do Tribunal Penal Internacional para a Antiga Iugoslávia (TPII) de ser um dos responsáveis do massacre de 8.000 muçulmanos na cidade bósnia de Srebrenica em 1995.

O comissário europeu para Ampliação, Oli Rehn, disse em comunicado que 'nas últimas semanas' a Sérvia adotou ações concretas para cooperar com o TPII, com sede em Haia, na Holanda. Entre elas, citou a prisão de Tolimir, que hoje mesmo foi levado para Haia e na próxima segunda-feira deve ser apresentado perante uma juíza.

Rehn lembrou que a Sérvia também iniciou ontem o Conselho Nacional de Segurança, um 'passo essencial para instaurar uma estrutura de comando clara e assegurar coordenação com o Tribunal'.

A CE, segundo o comissário, decidirá a data para retomar as conversações depois da visita que à Sérvia da promotora-chefe do TPII, Carla del Ponte.

Del Ponte estará em Belgrado entre segunda e quinta-feira da semana que vem e se reunirá com o presidente, Boris Tadic, o primeiro-ministro, Vojislav Kostunica, e várias autoridades responsáveis pela cooperação com o TPII.

A porta-voz da promotora, Olga Kavran, explicou que Del Ponte deve pedir o acesso a documentos e testemunhas na Sérvia, assim como a prisão e extradição dos foragidos.

Segundo Kavran, Del Ponte 'está disposta a cooperar' com as autoridades sérvias e recebe favoravelmente as promessas do novo Governo sérvio de cumprir as obrigações internacionais, mas afirmou que quer 'ações e resultados concretos'.

Na volta, a promotora-chefe do Tribunal de Haia enviará uma avaliação detalhada à CE e um relatório ao Conselho de Segurança da ONU.

Em maio do ano passado, a UE suspendeu as conversas com a Sérvia alegando 'falta de colaboração' do país na busca e extradição do ex-general servo-bósnio Ratko Mladic - que é, junto com o líder servo-bósnio Radovan Karadzic, o suposto criminoso de guerra mais procurado pelo TPII.

Em fevereiro, os ministros do Exterior da UE deram sinal verde à possibilidade de retomar as negociações com o novo Governo sérvio se mostrasse compromisso claro de cooperar com o TPII.

Rehn assegurou nesta sexta-feira que o futuro das negociações dependerá a partir de agora da 'continuidade da cooperação efetiva da Sérvia'

com o Tribunal.

- Espero que o Governo sérvio faça todo o possível na visita da próxima semana e mantenha o rumo positivo para a cooperação completa que tomou - acrescentou.