Papa diz que Paquistão precisa fortalecer democracia

REUTERS

CIDADE DO VATICANO - O papa Bento XVI pediu ao Paquistão na sexta-feira que fortaleça a democracia e garanta a liberdade de expressão.

- Os princípios da democracia garantem a liberdade de expressar opiniões políticas publicamente de várias maneiras - disse o papa em um discurso ao novo embaixador do Paquistão no Vaticano.

O pontífice disse ainda que sabe que o governo está ciente de que as raízes da inquietação política e agitação dentro de suas fronteiras têm que ser discutida, e que maneiras de sustentar instituições democráticas devem ser fortalecidas.

O presidente Pervez Musharraf, líder do Exército que assumiu o poder em um golpe em 1999, tem sido criticado desde que agiu para derrubar o principal juiz do país neste ano.

A oposição paquistanesa pediu pela restauração total da democracia. Mas autoridades do país estão endurecendo as regras para restringir transmissões de TV ao vivo de comícios da oposição, após as críticas ao poderoso Exército.

O papa afirmou que fortalecer a democracia vai impulsionar a solidariedade nacional e encorajar "maneiras pacíficas de reconciliar diferenças".

O papa disse ainda que tem "profundo respeito e admiração" pela herança religiosa muçulmana do Paquistão, afirmando que o fato de tanto cristãos quanto muçulmanos adorarem um Deus pode inspirar a fraternidade.

Muçulmanos de todo o mundo protestaram no ano passado, quando o papa fez um discurso controverso em que parecia comparar o Islã à violência. Ele depois disse que foi mal interpretado e em uma visita à Turquia rezou em uma mesquita de Istambul.