Europeus recebem com frieza plano de Bush contra aquecimento

REUTERS

ESSEN (ALEMANHA) - O plano do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, para enfrentar as mudanças climáticas foi recebido com frieza na sexta-feira pelos europeus.

O comissário do Meio Ambiente da União Européia (UE), por exemplo, considerou o plano pouco ambicioso e na 'clássica linha norte-americana'.

Bush, pressionado para adotar medidas antes da cúpula do Grupo dos Oito (G8) que acontece na próxima semana na Alemanha, disse na quinta-feira que tentaria, até o final de 2008, selar um acordo com os maiores emissores de poluentes do mundo sobre cortes a longo prazo das emissões de gases do efeito estufa.

- A declaração dada pelo presidente Bush repete basicamente a linha clássica norte-americana a respeito das mudanças climáticas -- nada de reduções obrigatórias, nada de comércio de carbono e objetivos vagos - afirmou o comissário de Meio Ambiente, Stavros Dimas, segundo a porta-voz dele.

Dimas afirmou ainda que "a postura dos EUA tem se mostrado ineficiente quando se trata de garantir a redução das emissões".

Bush defendeu a adoção de um plano de longo prazo no qual os 15 maiores emissores de poluentes do mundo, liderados pelos EUA, China e Índia, realizariam cortes.

A manobra representa uma mudança em relação à postura atual do governo norte-americano, que vai permitir um aumento nas emissões de gases do efeito estufa.

Alguns jornais apresentaram o plano de Bush como uma derrota para a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, que deseja ver o G8 concordando com a necessidade de que o mundo corte em cerca de 50 por cento, até 2050, as emissões de gases do efeito estufa.

- Um dos costumes das cúpulas do G8 é o de que os outros participantes confiram ao país anfitrião um sucesso a respeito de um assunto importante.

O fato de Bush ter ignorado isso representa uma afronta e, agindo assim, ele tornou ainda pior a derrota de Merkel - afirmou o Financial Times Deutschland, em um editorial.

Na Grã-Bretanha, o jornal The Guardian afirmou que 'Bush mata as esperanças de que surja um plano do G8 sobre o clima'.

Relatórios divulgados neste ano pela Organização das Nações Unidas (ONU) prevêem ondas de calor, enchentes, processos de desertificação e problemas com a elevação do nível do mar ainda piores devido ao aumento das temperaturas decorrente do acúmulo de gases do efeito estufa.

Esses gases são produzidos principalmente na queima de combustíveis fósseis.

A UE pretende diminuir suas emissões em 20% até 2020.

Alguns dirigentes, entre os quais o primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair, principal aliado de Bush no Iraque, receberam com satisfação a mudança de postura do governo norte-americano.

O comissário de Energia da UE, Andris Piebalgs, elogiou o plano.

- Para mim, essas são notícias muito boas e muito bem-vindas. Isso representa uma postura totalmente diferente do governo dos EUA - afirmou, em Helsinque.

O próprio Dimas observou que José Manuel Barroso, presidente da Comissão Européia, e Merkel haviam destacado o fato de o plano de Bush ao menos criar mais espaço para o diálogo.

Pelo Protocolo de Kyoto, 35 países comprometeram-se com, até 2008-2012, cortar para um patamar 5 por cento inferior aos níveis de 1990 as emissões de gases do efeito estufa.

Bush decidiu contra a implementação desse acordo em 2001, argumentando que o Protocolo faria diminuir a oferta de empregos no território norte-americano e havia errado ao excluir dos limites compulsórios os países em desenvolvimento.