Congressista filipino é acusado de matar prefeito

Agência EFE

FILIPINAS - Um congressista filipino que pretende se reeleger na próxima segunda-feira foi acusado do assassinato, em janeiro passado, do prefeito de uma cidade do arquipélago, informou hoje a imprensa local.

Catalino Figueroa, deputado pela província de Samar Ocidental, 600 quilômetros ao sudeste da capital, foi denunciado com outros seis homens como responsável pela morte de Benito Astorga, prefeito da localidade de Daram, na mesma região, no dia 31 de janeiro, segundo o jornal "The Philippine Daily Inquirer".

Astorga foi baleado por vários desconhecidos num baile público.

Um dos supostos pistoleiros foi detido em meados de fevereiro e identificado como Arthur Ponay, neto de Figueroa.

Os investigadores afirmam que os acusados se reuniram em novembro para preparar o assassinato de Astorga, pelo qual Figueroa pagou 1 milhão de pesos (? 15.500), segundo a denúncia.

O deputado negou taxativamente as acusações e disse ao jornal que não pertence a um "clã de assassinos".

Figueroa, aliado da presidente filipina, Gloria Macapagal Arroyo, foi um dos congressistas que rejeitaram abrir o processo de "impeachment" por suposta fraude eleitoral nas eleições presidenciais de 2004.

O total de pessoas assassinadas nas Filipinas durante a campanha eleitoral já passa de 100.