Bush tentará acordo com democratas sobre condições para o Iraque

Agência EFE

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, afirmou nesta quinta-feira que buscará um acordo com os democratas sobre condições que permitam medir o progresso no Iraque, para tentar romper o enfrentamento sobre as verbas para a guerra e um possível calendário de retirada militar.

Em declarações no Pentágono ao receber relatórios dos comandantes militares sobre a situação no Iraque, Bush reiterou que vetará o projeto de lei debatido nesta quinta-feira pela Câmara dos Representantes, que prevê a concessão de fundos para a guerra só até julho, para então avaliar os progressos alcançados no Iraque.

Segundo o presidente americano, 'rejeitamos essa idéia, porque não vai funcionar'.

- Vetarei qualquer projeto de lei que aprove verbas pouco a pouco - afirmou Bush. Ele argumentou que, se aceitasse, seria preciso congelar diversos contratos e projetos a longo prazo.

Na semana passada, Bush já vetou outro projeto de lei aprovado pelo Congresso que vinculava a atribuição de US$ 100 bilhões em verbas à execução de um calendário de retirada para a partir de 1º de outubro.

No entanto, em uma mudança de posição, o presidente se mostrou disposto a negociar com o Congresso para pressionar os líderes iraquianos a que cumprirem uma série de exigências que sirvam para medir o progresso no Iraque, como a aprovação de uma lei sobre a receita de petróleo.

- Uma mensagem que ouvi de ambos os partidos é que as condições fazem sentido, e estou de acordo - afirmou o presidente.

Bush revelou que deu instruções a seu chefe de Gabinete, Joshua Bolten, para buscar um 'denominador comum' com os líderes do Congresso.

Bolten é, junto ao conselheiro de Segurança Nacional, um dos responsáveis da Casa Branca pela negociação com o Congresso para tentar quebrar o impasse sobre os fundos para a guerra.

Esta semana, dirigentes do Partido Republicano alertaram a Casa Branca de que a guerra no Iraque está prejudicando seus políticos.

Bush tentará acordo com democratas sobre condições para o Iraque

Bush tentará acordo com democratas sobre condições para o Iraque

Agência EFE

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, afirmou nesta quinta-feira que buscará um acordo com os democratas sobre condições que permitam medir o progresso no Iraque, para tentar romper o enfrentamento sobre as verbas para a guerra e um possível calendário de retirada militar.

Em declarações no Pentágono ao receber relatórios dos comandantes militares sobre a situação no Iraque, Bush reiterou que vetará o projeto de lei debatido nesta quinta-feira pela Câmara dos Representantes, que prevê a concessão de fundos para a guerra só até julho, para então avaliar os progressos alcançados no Iraque.

Segundo o presidente americano, 'rejeitamos essa idéia, porque não vai funcionar'.

- Vetarei qualquer projeto de lei que aprove verbas pouco a pouco - afirmou Bush. Ele argumentou que, se aceitasse, seria preciso congelar diversos contratos e projetos a longo prazo.

Na semana passada, Bush já vetou outro projeto de lei aprovado pelo Congresso que vinculava a atribuição de US$ 100 bilhões em verbas à execução de um calendário de retirada para a partir de 1º de outubro.

No entanto, em uma mudança de posição, o presidente se mostrou disposto a negociar com o Congresso para pressionar os líderes iraquianos a que cumprirem uma série de exigências que sirvam para medir o progresso no Iraque, como a aprovação de uma lei sobre a receita de petróleo.

- Uma mensagem que ouvi de ambos os partidos é que as condições fazem sentido, e estou de acordo - afirmou o presidente.

Bush revelou que deu instruções a seu chefe de Gabinete, Joshua Bolten, para buscar um 'denominador comum' com os líderes do Congresso.

Bolten é, junto ao conselheiro de Segurança Nacional, um dos responsáveis da Casa Branca pela negociação com o Congresso para tentar quebrar o impasse sobre os fundos para a guerra.

Esta semana, dirigentes do Partido Republicano alertaram a Casa Branca de que a guerra no Iraque está prejudicando seus políticos.