Gül formaliza retirada de sua candidatura à Presidência turca

Agência EFE

ANCARA - O islamita moderado Abdullah Gül formalizou nesta quarta-feira a retirada de sua candidatura à Presidência da Turquia, cancelando, assim, a segunda rodada da votação para escolher o chefe do Estado do país, que começaria nesta quarta-feira no Parlamento.

Gül, atual ministro de Assuntos Exteriores e único candidato nestas polêmicas eleições presidenciais, apresentou à Presidência da Assembléia Nacional sua carta de retirada pouco antes da hora prevista para o início da segunda votação indireta.

- Estou retirando minha candidatura para a 11ª Presidência. Entrego a carta e peço que se faça o que for preciso, disse Gül na nota.

Deniz Baykal, líder da principal legenda de oposição, o Partido Republicano do Povo (CHP, laico), criticou o governista Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP, religioso), ao qual Gül pertence, pelo fato de ter formalizado a retirada da candidatura apenas nesta quarta-feira, quando o ministro já havia anunciado a decisão desde domingo.

O chanceler turco foi obrigado a desistir de sua aspiração à presidência devido ao boicote da oposição, que se ausentou de plenário e impediu o quórum mínimo para iniciar o processo.

Desta forma, a oposição conseguiu seu objetivo de antecipar para 22 de julho as eleições legislativas previstas para novembro. Assim, o novo Parlamento será eleito antes do pleito presidencial. A Turquia ainda discute a possibilidade de alterar a Constituição para que o presidente seja eleito por voto direto, em vez de pelo Parlamento.