Estado venezuelano passa a controlar 86,21% das ações da Cantv

Agência EFE

CARACAS - O Estado venezuelano anunciou hoje que, ao finalizar 'com sucesso' o processo de oferta pública de aquisição sobre a Compañía Anónima Teléfonos de Venezuela (Cantv), a principal telefônica do país, passou a controlar pelo menos 86,21% de suas ações.

Após concluir na terça-feira a opa lançada há um mês nas bolsas de valores de Nova York e Caracas, o ministro das Telecomunicações, Jesse Chacón, disse hoje em entrevista coletiva que o Estado adquiriu com ela 79,62% das ações da Cantv e assumirá sua operação a partir de 21 de maio.

Uma quarta parte dos 79,62% foi adquirida em Caracas, e o restante em Nova York, o que, somado aos 6,59% que já tinha em seu poder, elevou seu controle aos 86,21% atuais.

- É um resultado muito satisfatório-, afirmou Chacón, acrescentando que pode ser ainda melhor, uma vez que -ainda tramitam algumas ofertas, que podem aumentar esse percentual para 86,21%-.

A aquisição da maioria das ações da Cantv faz parte do plano do Governo do presidente venezuelano, Hugo Chávez, de nacionalizar todos os setores estratégicos, entre eles o elétrico.

A nacionalização inclui a tomada do controle, através de empresas mistas, dos campos petrolíferos do país, o que deixará as transnacionais dos Estados Unidos, França, Noruega e o Reino Unido como sócias minoritárias.

O Governo de Chávez decidiu, em 12 de fevereiro, pela compra de 28,51% das ações da americana Verizon Communications, acionista majoritária individual da Cantv, no valor de US$ 572,24 milhões, após o qual se decidiu pelo lançamento da opa.

O Estado pagará por toda a operação um total de US$ 1,6 bilhões entre os dias 15 e 18 de maio, assinalou Chacón, que afirmou que - os recursos já estão disponíveis no Banco Central da Venezuela-.

Os funcionários em atividade e aposentados da Cantv ficaram com 5,72% das ações, ao tempo que os 8,07% restantes se mantêm em poder de outros acionistas particulares.

Destas últimas, 4,12% seguirão sendo cotadas na Bolsa de Nova York, e 3,95% na de Caracas.

A empresa é a maior provedora de telefonia fixa da Venezuela, e domina 78% dos serviços de acesso à internet, e possui mais de quatro milhões de clientes em telefonia celular, através de sua filial Movilnet.

Chacón revelou que, no dia 21 de maio, será realizada uma assembléia extraordinária, na qual será escolhida uma nova diretoria, que implementará uma mudança de filosofia, para passar da rentabilidade a curto prazo a uma rentabilidade social, que envolva maior penetração e melhor acessibilidade aos serviços.

- Ainda este ano, os venezuelanos vão sentir mudanças relativas à qualidade dos serviços, preços, coberturas e novas tecnologias-, afirmou.