Escritório cubano nos EUA critica decisão judicial sobre Carriles

Agência EFE

WASHINGTON - O Escritório de Interesses de Cuba nos Estados Unidos criticou nesta terça a decisão de uma juíza americana, que rejeitou as acusações contra o anticastrista Luis Posada Carriles, acusado de mentir em sua solicitação de cidadania.

"O fato de que o terrorista Posada Carriles se encontra em liberdade e sem acusações legais é da inteira responsabilidade da Casa Branca', afirmou numa declaração Dagoberto Rodríguez, chefe do escritório.

Ele acrescentou que a Casa Branca 'fez todos os esforços necessários para proteger o Bin Laden deste hemisfério, por temer que ele possa contar toda a história das ligações do Governo dos Estados Unidos com suas atividades terroristas'.

Posada Carriles, acusado de terrorismo por Cuba e Venezuela, estava sendo processado nos EUA por fraudes migratórias. Mas a juíza Kathleen Cardone, de El Paso (Texas), excluiu as transcrições da sua entrevista com as autoridades quando solicitou a cidadania, a principal prova do Governo no caso.

Cuba acusa o anticastrista de planejar um atentado com explosivos contra o presidente Fidel Castro na Cúpula Ibero-Americana do Panamá, em 2000.

Posada Carriles, um ex-agente da CIA, também é acusado pela Venezuela de ter provocado a explosão de um avião da Cubana de Aviación, em 1976.