Jovens e policiais franceses voltam a se enfrentar

REUTERS

PARIS - Manifestantes hostis ao presidente eleito da França, Nicolas Sarkozy, enfrentaram novamente a polícia na madrugada desta terça-feira em Paris e em várias outras cidades. Mais de 300 carros foram incendiados, levando o líder do Partido Socialista a fazer um apelo à calma. Pela segunda noite consecutiva, manifestações reunindo algumas centenas de militantes de extrema-esquerda e de anarquistas acabaram em enfrentamentos esporádicos em Paris, em Lille (Norte), Toulouse (Sudoeste), Nantes e Rennes (Oeste). Cento e sessenta pessoas foram detidas.

Em todo o país, 365 veículos foram incendiados, principalmente em bairros da periferia, segundo um balanço oficial da polícia. Na noite anterior, 730 carros já haviam sido queimados e 592 pessoas detidas, de acordo com a polícia.

Estes números são muito superiores à média normal. Entre 70 e 100 carros por dia são incendiados na França. A polícia havia afirmado segunda-feira que os confrontos eram instigados por "movimentos de extrema-esquerda, anarquistas ou autônomos".

Em Paris, 15 pessoas ainda estavam presas nesta terça-feira, no dia seguinte a um protesto na praça da Bastilha que degenerou em enfrentamentos, como havia acontecido na véspera. Um policial foi ferido, dez veículos queimados, duas lojas saqueadas e 17 vidraças quebradas, segundo a polícia.

O líder do Partido Socialista (PS), François Hollande, namorado da candidata Ségolène Royal, derrotada domingo por Sarkozy, fez um novo apelo à calma nesta terça-feira. - Todos os que participam destes atos de violência estão na verdade ajudando os que querem mais ordem, mais dureza - explicou.

- Pode haver decepção, raiva, frustração, mas a única reação possível é através do voto - declarou Hollande.

Royal havia advertido antes do segundo turno que a violência poderia aumentar no país em caso de vitória de Sarkozy, considerado um "inimigo" por muitos jovens dos subúrbios pobres onde vive uma importante comunidade de franceses de origem africana. A socialista obteve bons resultados nos bairros da periferia.