Irã diz que mergulhadores detidos serão libertados em um ou dois dias

Agência EFE

TEERÃ - O Irã acredita que os dois mergulhadores iranianos detidos há uma semana por uma força naval dos Emirados Árabes, nas águas do Golfo Pérsico, serão libertados em um ou dois dias, segundo anunciou hoje o embaixador iraniano em Abu Dhabi, Hamid-Reza Asefi.

O diplomata afirmou que seu país mantém contatos com as autoridades dos Emirados Árabes desde a detenção dos mergulhadores, na terça-feira passada, próximo a uma ilha disputada pelos dois países, na entrada do estreito de Ormuz.

- Levando em conta as circunstâncias das águas comuns entre Irã e Emirados Árabes, casos como este podem ocorrer - disse Asefi, afirmando que Abu Dhabi lhe prometeu libertar em breve os detidos.

A agência de notícias iraniana 'Isna' informou nesta terça-feira a detenção dos doze mergulhadores iranianos, que trabalham para a companhia iraniana de Sadaf Sepid.

Os Emirados Árabes -que não comentaram a informação até o momento- mantêm, desde 1971, uma disputa com o Irã pelas estratégicas ilhas de Tonb Maior, Tonb Menor e Abu Moussa.

Nuri Pur explicou que os mergulhadores iranianos foram até o local depois que 'o dono de uma embarcação afundada perto de Abu Mussa nos pediu ajuda para tirar a carga que tinha dentro do barco'.

Os mergulhadores tinham permissão do Ministério de Assuntos Exteriores do Irã e das autoridades locais da ilha de Abu Mussa, controlada por Teerã, segundo seu superior.

- A embarcação tinha afundado dentro de águas internacionais a 28 quilômetros da ilha de Abu Mussa e a uma distância de 35 quilômetros das águas dos EAU - assegurou.

De acordo com o dono da empresa, os mergulhadores foram abordados por duas patrulhas dos EAU acompanhadas por uma pequena fragata. Os mergulhadores da Sadaf Sepid trabalhavam há uma semana na região.

- Os patrulheiros fizeram perguntas aos iranianos e depois levaram-nos à força para os Emirados - concluiu Nuri Pur.