Estado Islâmico ameaça executar nove membros das forças de segurança

Agência EFE

BAGDÁ - A organização radical Estado Islâmico do Iraque, subordinada à rede terrorista Al Qaeda, ameaçou nesta terça-feira executar cinco oficiais do Exército e quatro policiais iraquianos, que mantém como reféns.

A ameaça foi feita por meio de um vídeo divulgado na internet.

O grupo disse que matará os policiais e militares se as autoridades iraquianas não libertarem todas as mulheres presas no país nas próximas 72 horas.

A organização também exigiu que o Governo entregue os responsáveis pelo estupro de uma mulher na cidade de Tal Afar, ao norte de Bagdá. 'Caso contrário, será aplicada a lei de Deus (aos nove reféns)'.

A gravação, cuja autenticidade não pôde ser verificada, mostra os militares e policiais num quarto, em pé e de mãos atadas, onde cada um deles se identifica com seu nome e profissão.

Os reféns também pedem que os colegas deixem a Polícia e o Exército iraquianos.

Há pouco mais de um mês, o Estado Islâmico do Iraque executou 20 militares e policiais, depois que as autoridades se recusaram a atender às suas exigências.

Na segunda-feira, o mesmo grupo - que reúne oito bandos radicais islâmicos ligados à Al Qaeda -, assumiu a autoria do atentado que matou a seis soldados americanos e um jornalista russo no domingo em Baquba, capital de Diyala, ao nordeste de Bagdá.

O Estado Islâmico do Iraque, foi criado em outubro com Abu Omar, "o Baghdadi', como líder, e com uma suposta autoridade sobre as províncias de Diyala, Salah ad-Din, Al-Anbar, as áreas de Kirkuk e Mossul, e amplas zonas de Bagdá e na província de Babel, todas de maioria sunita.