Chirac diz que Rostropovich 'fez um instrumento de paz'

Agência EFE

PARIS - O presidente francês, Jacques Chirac, prestou homenagem ao violoncelista russo Mstislav Rostropovich, que morreu hoje, aos 80 anos, em um hospital de Moscou, e disse que ele "fez do violoncelo um instrumento de paz'.

- Dedicada plenamente à música, sua vida, que concebeu como uma obra de arte, iluminou a história de nosso tempo, a da Rússia e a da liberdade, escreveu o presidente francês, amigo pessoal do músico.

Após lembrar o concerto que o músico russo deu diante do muro de Berlim, em novembro de 1989, Chirac assegurou que a vida de Rostropovich foi 'uma lição de coragem e harmonia'.

O primeiro-ministro, Dominique de Villepin, disse que Rostropovich 'ilustrou com um talento excepcional o caráter universal da música e da democracia'.

O ministro da Cultura, Renaud Donnedieu de Vabres, lembrou que Rostropovich viveu na Inglaterra e na França, por isso o considerou como 'um francês de coração'.

Os dois candidatos à Presidência da França, o conservador Nicolas Sarkozy e a socialista Ségolène Royal, se uniram à homenagem do músico.

- Ele permanecerá na memória de todos como o exemplo de um homem de gênio, de coração e, acima de tudo, como um homem livre, afirma o candidato conservador em comunicado.

Após lembrar o 'músico de grande sensibilidade', Royal quis prestar homenagem 'ao corajoso compromisso político' que o maestro manteve tanto nos anos da União Soviética como, mais recentemente, com o programa da ONU sobre a aids.