Parlamento Europeu pede renúncia de Wolfowitz

Agência EFE

ESTRASBURGO - O Parlamento Europeu (PE) aprovou nesta quarta-feira uma resolução que reivindica a saída do presidente do Banco Mundial (BM), Paul Wolfowitz, por supostamente ter favorecido sua namorada em um caso de nepotismo.

A resolução, adotada por ocasião da cúpula União Européia-Estados Unidos de 30 de abril, não se atém somente ao caso de Wolfowitz e se refere às relações transatlânticas em geral.

Mas inclui um parágrafo que pede 'à Presidência (alemã) da UE e ao Governo dos EUA que indiquem ao presidente do Banco Mundial, Paul Wolfowitz, que sua saída do cargo constituiria uma decisão positiva para evitar que a política do banco de luta contra a corrupção seja prejudicada'.

O parágrafo, que contava com o respaldo dos grupos de esquerda e dos liberais, mas dividia o Partido Popular Europeu, foi aprovado por 333 votos a favor.

A continuidade do ex-número dois do Pentágono na Presidência do Banco Mundial está em questão após ser revelado que Wolfowitz interferiu na promoção e no aumento salarial de sua namorada, a britânica de origem líbia Shaha Ali Riza.

Por outro lado, o Parlamento Europeu respaldou em sua resolução a proposta da chanceler alemã, Angela Merkel, de estabelecer um mercado 'sem barreiras' entre a UE e os Estados Unidos.

A entidade defende que se inicie na cúpula de 30 de abril a negociação de um novo Acordo de Associação Transatlântico que inclua regulamentos comuns sobre propriedade intelectual, inovação, investimentos e compras públicas.

No campo diplomático, a Eurocâmara pediu que se mantenha a cooperação entre UE e EUA na disputa nuclear com o Irã, no conflito entre palestinos e israelenses e na luta contra o terrorismo internacional.

No entanto, reiterou sua oposição ao centro de detenção de Guantánamo e sua rejeição a outras violações dos direitos e de liberdades fundamentais neste âmbito.

Em paralelo, voltou a pedir ao Governo dos Estados Unidos que assine o Protocolo de Kyoto contra a mudança climática.