Jornalistas pedem libertação de colega seqüestrado por palestinos

Agência EFE

PASSAGEM DE EREZ - Correspondentes estrangeiros e jornalistas israelenses e palestinos se manifestaram nesta quarta-feira dos dois lados da passagem fronteiriça de Erez, entre Gaza e Israel, para exigir a libertação de seu colega da 'BBC' Alan Johnston, seqüestrado há seis semanas.

A manifestação, que durou 45 minutos, reuniu mais de 100 jornalistas de diversas nacionalidades, com cartazes com a frase "Free Alan' (Libertem Alan).

- Nós nos reunimos hoje aqui para lembrar ao mundo que nosso amigo e colega, o jornalista Alan Johnston, continua em cativeiro, diz um comunicado divulgado pelos organizadores.

Simon Mcgregor-Wood, presidente da Associação de Imprensa Estrangeira e correspondente da rede americana 'ABC', lembra na nota de imprensa que Johnston era o único jornalista estrangeiro que vivia permanentemente na Faixa de Gaza, e que seu seqüestro é um duro golpe para os profissionais que cobrem o conflito.

O fluxo de jornalistas estrangeiros na Faixa de Gaza diminuiu consideravelmente desde que começaram os seqüestros, há mais de um ano, após a posse do primeiro Governo do primeiro-ministro do Hamas, Ismail Haniyeh, em março de 2006.

- Temos que poder ir a Gaza para cobrir o conflito e entender o que acontece, para contar as histórias das pessoas que vivem lá, diz a nota de imprensa da FPA. Por isso, acrescenta, 'os seqüestros devem terminar, com a libertação de Alan são e salvo'.

Do outro lado da fronteira, um grupo de jornalistas palestinos aderiu à manifestação. Mas, devido às restrições militares na área, os dois grupos não puderam se encontrar.

A FPA lembrou no entanto o papel dos colegas palestinos, que desde o seqüestro se manifestam em Gaza todas as semanas para pedir a libertação do correspondente da 'BBC'.

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, afirma saber a identidade dos seqüestradores do jornalista, que porém não revela para não prejudicar as negociações.