Chile tomou medidas para evitar fuga de Fujimori, di procurado

REUTERS

LIMA - O Chile está tomando precauções para evitar a fuga do ex-presidente peruano Alberto Fujimori, e o Peru espera que ele responda este ano pelos delitos de que é acusado, afirmou na terça-feira o procurador Carlos Briceño. Fujimori, que governou o Peru entre 1990 e 2000, está em Santiago há um ano e meio, desde que chegou ao Chile de surpresa, vindo de Tóquio, onde se refugiara depois da queda de seu governo em meio a um escândalo de corrupção. O Peru pediu ao Chile a extradição de Fujimori, acusando-o de corrupção a violação dos direitos humanos.

- As autoridades chilenas estão tomando todas as precauções para uma possível fuga do extraditável Fujimori - disse o procurador peruano.

Segundo ele, a possibilidade de fuga existe, mas é 'remota.' Ele acrescentou que é prematuro pedir a prisão de Fujimori enquanto sua situação jurídica não estiver definida. O Ministério Público chileno disse à Reuters em março que emitiria em abril sua opinião sobre o processo de extradição. Quando isso ocorrer, o juiz chileno Orlando Alvarez tomará uma decisão, passível de recurso.

- A procuradoria tem plena convicção de que o senhor Alberto Fujimori será extraditados. Há provas categóricas nos 12 cadernos de extradição - disse Briceño.