Eleições na França e nos territórios ultramarinos apresentam novidades

Agência EFE

PARIS - Os eleitores dos territórios franceses de Ultramar já começaram neste sábado a votar no primeiro turno das eleições presidenciais, uma novidade acompanhada pela possibilidade de voto eletrônico para muitas localidades na França.

Dos 12 candidatos que concorrem à Chefia do Estado, os franceses escolherão amanhã os dois que disputarão o segundo turno no dia 6.

No entanto, pouco mais de um milhão de franceses votarão ao longo de hoje, sábado, em uma medida que, embora não pareça, pretende evitar uma distorção.

Trata-se dos departamentos franceses de Ultramar, como Guiana Francesa, Martinica e Guadalupe, além dos nativos residentes no continente americano.

A diferença de fuso horário entre os territórios e Paris fez com que nas eleições de 2002 centenas de milhares de pessoas começassem a votar quando as urnas estavam sendo fechadas na França e os meios já publicavam que o segundo turno seria disputado entre Jacques Chirac e Jean-Marie Le Pen.

Para evitar a distorção, as autoridades decidiram que, desta vez, os eleitores dos territórios ultramarinos e residentes nas Américas votarão na véspera.

A apuração será feita após o fechamento das urnas, mas os resultados só serão revelados às 20h (15h de Brasília) de domingo, quando todos os colégios eleitorais franceses tiverem fechado.

A meio-dia deste sábado, hora de Paris (7h em Brasília), foram abertas as urnas em Saint-Pierre e Miquelon, um arquipélago francês a 25 quilômetros de Terranova, no Canadá.

Outra novidade destas eleições é a votação por meio de urnas eletrônicas em 82 municípios.

A iniciativa parte da idéia que votar com máquinas tem vantagens de acessibilidade, economiza papel e permite contabilizar os sufrágios de modo mais rápida, mas o caso provocou polêmica e algumas reservas e receios de vários partidos.

Na França os colégios abrirão às 8h (3h de Brasília) e fecharão às 18h (13h de Brasília), mas terão o horário de funcionamento estendido em uma hora em cidades como Dijon, Rennes e Tours, e duas em grandes metrópoles como Paris, Marselha, Lyon, Toulouse, Bordeaux e Estrasburgo. No total, há 85 mil centros de votação.

Não será permitida a publicação de pesquisas e estimativas até que sejam fechadas as últimas urnas, como lembrou o ministro do Interior, François Baroin, em comunicado, no qual lembra que o descumprimento da ordem constitui uma infração penal.

No total, 44,5 milhões de pessoas (3,3 milhões a mais que em 2002) devem comparecer para votar. Em 2002, a participação no primeiro turno foi de 73%, a mais baixa desde o estabelecimento da eleição do presidente da República por voto direto, em 1965.

A imprensa francesa prepara uma cobertura intensa do dia das eleições, divulgarão a partir das 20h as estimativas parciais e contarão com vários convidados para comentá-las.

Os 12 candidatos divulgaram onde e quando votarão, mas não poderão se pronunciar. À noite, acompanharão a apuração em seus quartéis eleitorais.