Nasdaq pára por um minuto em dia de luto por massacre na Virgínia

Agência EFE

WASHINGTON - O estado da Virgínia viveu nesta sexta-feira um dia de luto oficial em lembrança das 32 vítimas do massacre da Universidade Politécnica, que incluiu um minuto de silêncio ao meio-dia.

Ao luto na Virgínia se somaram igrejas em todo o país, desde a catedral de Washington até capelas na Califórnia, que ministraram missas e vigílias em memória das vítimas.

Em Nova York, a bolsa eletrônica Nasdaq, que na parte exterior de sua sede exibia uma grande bandeira americana e uma mensagem de solidariedade, suspendeu suas operações para observar um minuto de silêncio.

No campus da Virginia Tech, os estudantes que não voltaram para casa se congregaram no parque central, o Drillfield, vestidos em sua maioria com as camisetas laranjas e grenás da Universidade, para guardar um minuto de silêncio enquanto soavam os sinos da capela.

No centro do parque foi colocado um círculo com 32 bandeiras e pedras, uma para cada vítima do massacre de segunda-feira em uma dos alojamentos de estudantes e em um prédio de salas de aula.

O governador do estado, Tim Kaine, ordenou que seja aberta uma investigação para determinar se as autoridades lidaram corretamente com a crise e se o massacre poderia ser evitado, dadas as mostras de instabilidade que o autor do fato, o estudante sul-coreano Cho Seung-Hui, de 23 anos, tinha dado nos últimos anos .

À frente desta investigação está o ex-secretário de Segurança Nacional Tom Ridge, que afirmou ao programa The Early Show da cadeia "CBS' que 'à primeira vista' os tiroteios 'não' puderam ser evitados.

- É uma tragédia nacional, e temos que aprender algumas lições e aplicá-las - declarou no entanto Ridge, advertindo contra o risco de "transformar nossas universidades e lugares públicos em fortalezas'.

A Virginia Tech proíbe posse de armas em seu interior e após o massacre de segunda-feira alguns comentaristas opinaram que se houvessem armas no campus o massacre poderia ter sido detido.