Militares dos EUA constroem muro cercando sunitas em Bagdá

REUTERS

BAGDÁ - Os militares norte-americanos estão construindo um muro de cinco quilômetros em torno do bairro sunita de Adhamiya, cercado por três comunidades xiitas de Bagdá, na tentativa de conter a violência na cidade.

A obra, iniciada em 10 de abril, "é um dos pontos centrais da nova estratégia da coalizão e das forças iraquianas para romper o ciclo de violência sectária", segundo o sargento Mike Pryor, do setor de relações-públicas, em artigo divulgado pelos militares.

Há dois meses empenhados numa operação de segurança vista por muitos como a última tentativa de evitar uma guerra civil, comandantes norte-americanos em Bagdá negam que o muro seja destinado a dividir a cidade em comunidades separadas.

"Não é o objetivo declarado do plano de segurança de Bagdá dividir tudo nessas pequenas comunidades com portões", disse o tenente-coronel Chistopher Garver, porta-voz militar dos EUA.

Ele afirmou que tal intenção não é "completamente incongruente" com o muro de Adhamiya, porque os comandantes locais podem conduzir operações apropriadas às condições do terreno.

O Wall Street Journal disse neste mês que um projeto similar estava sendo feito também ao redor de Doura, outro bairro sunita na zona sul de Bagdá.

O artigo de Pryor diz que Adhamiya vive "uma espiral de violência sectária e retaliação", e informa que o muro terá barreiras de até 3,5 metros de altura.

Trata-se de um pequeno encrave sunita na margem leste do rio Tigre. A zona leste de Bagdá é predominantemente xiita, embora haja algumas áreas sunitas, como o vizinho bairro de Fadhil, violento reduto da insurgência.

"Os xiitas estão entrando e atacando os sunitas, e os sunitas estão retaliando do outro lado da rua", disse o capitão Scott McLearn, do Batalhão de Apoio à 407a Brigada.

Ao mesmo tempo em que protege a população sunita de Adhamiya de ataques xiitas, o muro também visa a impedir militantes sunitas de atacarem bairros xiitas e então se esconderem em Adhamiya, segundo o artigo.

Pontos de controle de tráfego, operados por soldados iraquianos, serão a única forma de acesso ao bairro quando o muro estiver concluído. O artigo diz que os soldados dos EUA se referem de forma brincalhona à obra como "A Grande Muralha de Adhamiya".