Estados Unidos reiteram apoio a presidente Uribe e a Plano Colômbia

Agência EFE

WASHINGTON - O Governo dos Estados Unidos reiterou nesta sexta-feira seu apoio ao Plano Colômbia e ao presidente Álvaro Uribe, enquanto o Congresso mantém bloqueada parte da ajuda militar a este país pelas supostas ligações do Exército com os paramilitares.

O chamado escândalo da 'parapolítica', que atingiu vários líderes políticos colombianos, aumentou as preocupações no Congresso americano, que decidiu suspender o envio de cerca de US$ 55,2 milhões de ajuda para as Forças Armadas da Colômbia.

Durante uma entrevista coletiva, o porta-voz do Departamento de Estado americano, Sean McCormack, destacou os esforços do Governo de Uribe para levar à Justiça indivíduos ligados a grupos paralimitares e envolvidos em assassinatos extrajudiciais.

- Achamos que o Governo de Uribe é sério nestes esforços e acreditamos nas garantias dadas por Uribe de que, sem importar para onde as provas levam, permitirá que as investigações sigam seu curso - declarou McCormack.

Estas declarações acontecem após o ex-vice-presidente dos Estados Unidos Al Gore cancelar sua participação de hoje em um fórum ambiental realizado em Miami pela presença de Uribe no evento.

A porta-voz de Gore, Kalee Kreider, disse que o ex-vice-presidente expressou pesar por assumir esta decisão, mas declarou que 'as alegações' contra o chefe de Estado 'são muito problemáticas', em alusão às acusações das supostas ligações de Uribe com os paramilitares.

Os dois políticos foram convidados ao 'Fórum Verde', organizado pela revista 'Poder' e que teve a participação de líderes empresariais e políticos das Américas.

Em entrevista coletiva realizada em Miami antes de sua participação no 'Fórum Verde', o governante colombiano afirmou que nunca teve ligações com grupos paralimitares, um fenômeno que, afirmou, combateu intensamente para conseguir a paz no país sul-americano.

No meio desta polêmica, McCormack também aproveitou a entrevista coletiva para destacar os sucessos do Plano Colômbia em diversas frentes: O combate aos cultivos ilegais, o respeito aos direitos humanos e as medidas para diminuir os ataques de grupos insurgentes.

- Por isto estamos buscando formas de ajudar mais o Governo colombiano - declarou.

Enquanto Washington tenta se envolver mais com a Colômbia, grupos de defesa dos direitos humanos mantêm uma campanha de pressão para que o Congresso mantenha suspensa a ajuda militar até que sejam esclarecidas as ligações de políticos com paramilitares.