Rei da Jordânia pede a Israel que aceite iniciativa de paz árabe

Agência EFE

AMÃ - O rei Abdullah II da Jordânia pediu hoje à presidente interina de Israel e titular do Parlamento, Dalia Itzik, que aceite a iniciativa de paz árabe, que, segundo o líder, constitui uma 'oportunidade histórica' de alcançar a paz. Segundo um comunicado divulgado pela Casa Real jordaniana, o rei disse que 'a iniciativa árabe de paz representa uma oportunidade histórica para alcançar a paz no Oriente Médio e acabar com um conflito de décadas entre os países árabes e Israel'.

O monarca pediu a Israel que aceite 'a iniciativa árabe de paz como a base para relançar as negociações entre palestinos e encontrar soluções a todos os aspectos do conflito'. A iniciativa, estipulada inicialmente em Beirute, em 2002, e adotada novamente na cúpula árabe de Riad, em março, prevê o reconhecimento do Estado de Israel pelos países árabes, em troca de o Estado judeu se retirar dos territórios ocupados desde a Guerra dos Seis Dias (1967): Cisjordânia, Gaza, Jerusalém Oriental (palestinos) e as Colinas do Golã (pertencentes à Síria). A iniciativa também pede uma solução ao problema dos refugiados palestinos que foram forçados a deixar suas casas com a criação do Estado de Israel, em 1948.

- Israel não deve perder a oportunidade que garante seu reconhecimento por todos os Estados árabes e a união real na região, em vez de depender de políticas unilaterais fracassadas - afirmou.

O rei acrescentou que 'Israel deveria perceber que este é um primeiro passo para o fim do conflito com os árabes, que permite aos palestinos recuperar seus direitos legítimos, incluindo a constituição de um Estado próprio'. A reunião entre Abdullah e Itzik faz parte de uma nova rodada de contatos iniciada esta semana pelo monarca com vários políticos e ativistas israelenses, dos Estados Unidos e dos territórios palestinos.

A rodada de diálogo tem como objetivo pressionar o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, para que aceite a iniciativa de paz árabe, mas o premier expressou reservas. Os ministros de Exteriores árabes, reunidos na quarta-feira no Cairo, decidiram enviar a Israel uma delegação que incluirá os titulares de Exteriores de Jordânia e Egito, os dois únicos países árabes que assinaram tratados de paz formais com o Estado judeu.

No entanto, o secretário da Liga Árabe, Amre Moussa, disse que a missão só tem o objetivo de enviar o texto da iniciativa de paz árabe a Olmert e condiciona as negociações com Israel a que dê vários passos, entre eles paralisar a construção do muro de separação.